banner5

João Campos entregou estudo sobre o Polo Automotivo de Pernambuco a Lula

 
Enquanto Paulo Câmara e Danilo Cabral foram tomar café da manhã no Hotel Atlante Plaza, quase escondidos para só depois postarem uma foto asséptica e inodora no Instagram ao lado de Lula e João Campos, o prefeito do Recife chegou para a conversa com o ex-presidente com um documento de 36 páginas, produzido pela Consultoria Ceplan, liderada pela economista Tânia Bacelar, com um pacote de informações sobre os “Principais Impactos dos Setores Automotivo e Autopeças no Estado de Pernambuco”.
 
 
Certamente, Lula não terá paciência para ler o estudo por completo. Mas para João Campos foi uma forma de prestar contas do gesto do então presidente para com seu pai e com Pernambuco a 15 dias de deixar o governo em, 2010, quando assinou protocolo de intenções para instalação da fábrica da Fiat, no Complexo Industrial Portuário de Suape. As informações são do colunista Fernando Castilho, do Jornal do Commercio.
 
 
A Fiat, como se sabe, virou FCA e depois Stellantis com a fusão da ítalo-americana Fiat Chrysler e do grupo francês PSA, dono das marcas Peugeot e Citroën. Assim como a planta saiu de Suape para Goiana quando Eduardo Campos mostrou ao então presidente da Fiat na América Latina, Cledorvino Belini o terreno às margens da BR-101 Norte.
 
Doze anos depois, João Campos levou para Lula um estudo aprofundado patrocinado pela Stellantis e pela Moura onde está, certamente, o maior bloco de informações sobre o que hoje se chama Polo Automotivo de Pernambuco onde já foram investidos R$ 13,9 bilhões (R$ 3,6 bilhões alocados ao longo dos últimos seis anos de operação), além dos investimentos realizados por um parque de fornecedores (supplier park) formado por 22 das 34 empresas instaladas no segmento no estado e que são fornecedoras de produtos e serviços ao grupo.
 
O documento deve ser tarefa de casa para as duas candidatas ao Governo de Pernambuco se, de fato, estiverem interessadas em abordar a questão da industrialização de Pernambuco.
 
Porque ele mostra como é importante ancorar uma nova estratégia de desenvolvimento industrial de Pernambuco ao que ele já tem como um importante ecossistema na área de TIC: o Porto Digital, situado no Recife, que conta com 350 empresas e mobiliza cerca de 15 mil empregados
 
Até porque o Polo Automotivo de Pernambuco foi responsável pela reconfiguração da sua pauta de comércio exterior através do escoamento da produção dos automóveis já que 2015 até 2021, a produção da Stellantis em solo pernambucano foi responsável por 5,7% das exportações brasileiras.
 
A professora Tânia Bacelar reconhece que presença dos complexos fabris da Stellantis e da Moura em Pernambuco são representativos do movimento de desconcentração territorial da indústria automotiva e de autopeças no país e ajudam na percepção de que o Nordeste vem melhorando, embora o peso da herança de desigualdades e pobreza ainda é muito forte, o que continua a justificar tratamento diferenciado de políticas públicas nacionais.
 
Por Blog do Magno
Compartilhe:

Deixe um comentário