banner5

A gente vai abrir a caixa-preta do estado’, diz Raquel Lyra durante entrevista

 

O dia seguinte à vitória nas urnas foi marcado por uma extensa agenda de compromissos com a imprensa. Mesmo tendo dormido apenas quatro horas entre domingo e ontem, Raquel Lyra (PSDB) concedeu inúmeras entrevistas ao longo da segunda-feira. Não mais como candidata, e sim como a primeira mulher eleita governadora de Pernambuco.
 
Em entrevista ao Diário, Raquel Lyra fez um balanço sobre a eleição em Pernambuco, especialmente sobre sua vitória nas urnas. Falou sobre as prioridades para o seu governo e os maiores desafios que deverá enfrentar.
 
Raquel Lyra revelou que recebeu um telefonema do governador Paulo Câmara (PSB), que se prontificou a iniciar a transição, e também do prefeito do Recife, João Campos (PSB). A governadora eleita afirmou que vai procurar o presidente eleito, Lula (PT), para tentar firmar parcerias com o governo federal a partir de 2023. Sobre Pernambuco, Raquel prometeu “abrir as caixa-preta” quando tomar posse.
 
A vitória
 
A gente ganhou a eleição andando Pernambuco durante a pré-campanha no chão, conversando com a população, ouvindo as suas dores, compreendendo quais eram as soluções que a gente poderia apresentar. Para garantir que Pernambuco pudesse, diante do diagnóstico feito, de um estado de maior desigualdade, vice-campeão de desemprego, de maior violência no Brasil, voltar a gerar empregos e esperança para a sua gente. A gente precisava chegar no povo. Conversar com os invisíveis. Garantir que nosso governo fosse feito de fora para dentro, chegando onde os governos não chegam, como a gente fez em Caruaru. As pessoas conseguiram compreender que a minha candidatura, junto com Priscila (Krause, vice-governadora eleita), representava esse desejo de mudança.
 
A campanha
 
Parecia uma candidatura improvável, eu e Priscila, com pouco tempo de televisão, com pouca estrutura, mas uma coisa a gente tinha muito forte, que era a conexão e um desejo maior da nossa gente por mudança, diante de um governo que deixa o legado de um estado muito pior do que recebeu, com dois milhões de pessoas passando fome. Uma região metropolitana mais pobre entre todas as regiões metropolitanas do Brasil, pior estado para empreender do Brasil. Não era sobre a quantidade de prefeituras, não era sobre o tamanho da coligação, ou tempo de televisão. Falavam sobre isso o tempo inteiro e a caminhada demonstrou que esse desejo se expressou na nossa candidatura. Uma eleição que chancelou uma ampla maioria a favor de um projeto de verdadeira mudança para Pernambuco.
 
Mudança
 
O povo de Pernambuco queria mudança. Não pode ser uma mudança de faz de conta, ou de mais do mesmo. e essa mudança verdadeira foi enxergada a partir do trabalho também do que a gente fez em Caruaru como prefeita, cuidado das mulheres, construindo o maior projeto de educação da nossa história, investindo na área de saúde, combatendo a violência, gerando empregos. E isso não se faz com discursos. A gente conseguiu mostrar que era possível construir oportunidades. Mesmo que o Brasil venha mal, mas Pernambuco vai pior. E Caruaru conseguiu mudar indicadores e reposicionar o município para crescer e para deixar o seu povo mais feliz, com mais qualidade de vida.
 
Um compromisso
 
Conversar com a nossa gente, enxergando que em cada um dos cantos do nosso estado está a solução para os problemas que a gente tem. Foi o que fez a gente conseguir tocar a alma e o coração do povo de Pernambuco. Fazer a travessia para o segundo turno, receber os apoios e falar sobre a necessidade de união do nosso estado, de precisar construir pontes entre o nosso povo, entre as nossas cidades, entre as pessoas. Recebemos apoio de lulistas, de bolsonatistas, todos em torno de um projeto que fizesse voltar a fazer Pernambuco crescer, gerar empregos, gerar renda, gerar sonho, sem deixar ninguém para trás. Esse movimento foi acontecendo de baixo para cima. Sempre disse que não seria uma eleição de cima para baixo. 
 
Primeiras medidas
 
O tempo inteiro, trabalhar desde o primeiro dia para combater a desigualdade e superar a pobreza. Isso não é trabalho de um dia só, e um serviço só que vai resolver. Mas a gente precisa todos os dias garantir que as pessoas possam ter melhores condições de vida no nosso estado. Seja com o programa Mães de Pernambuco, com um auxílio de R$ 300 para as mães de crianças de 0 a 6 anos que estão na faixa de pobreza, com o restaurante Bom Prato, seja estruturando a criação das vagas de creche, fazendo de Pernambuco um estado que consiga abrir novos negócios, facilitando a vida de quem quer empreender no nosso estado, do microempreendedor às grandes empresas, facilitando o acesso a crédito, garantindo socorro e comida no prato e ao mesmo tempo fazer o estado voltar a crescer para que as pessoas possam ter emprego , renda.
 
Maior desafio
 
Enfrentar e superar a pobreza em Pernambuco, fazer o estado girar , porque durante muito tempo, durante esses últimos oito anos, ele está apenas para manter quem está no poder. Está funcionando para dentro, para manter a própria máquina. (É preciso) Fazer essa máquina girar, para funcionar, para chegar na ponta. Vai dar um trabalho danado, mas eu estou pronta para isso.
 
Governo e prefeitura
 
Esse alinhamento político não trouxe benefício para o Recife, nem para a Região Metropolitana. O Recife e a Região Metropolitana são a capital da desigualdade do Brasil. Temos 30 mil pessoas que moram em palafitas. Tivemos aqui 140 pessoas que morreram pela falta de investimentos nos morros, nas encostas, em habitação. O alinhamento político não garantiu melhoria de qualidade de vida para o povo. O que a gente precisa é, sem enxergar cor partidária, chegar na vida das pessoas que precisam. Eu nunca perguntei em Caruaru em quem a pessoa tinha votado para entregar uma casa nova. A gente vai precisar investir na Região Metropolitana inteira a partir de um grande pacto metropolitano e vai discutir e construir juntos estratégias e planejamento para habitação, para mobilidade, e para geração de empregos. Isso passa também pela necessidade institucional de fortalecer a relação, não só da prefeitura do Recife, mas com as demais prefeituras da Região Metropolitana do Recife. O alinhamento PSB com PSB não fez o Recife andar para a frente. 
 
João Campos
 
Ele ligou me parabenizando pela eleição e se colocando à disposição para durante a transição colocar as informações que a gente entender como necessárias para a construção desse momento novo que Pernambuco precisa.
 
Transição
 
A gente ganhou a eleição ontem (domingo). O governador Paulo Câmara telefonou e colocou à disposição a equipe de transição para começar o trabalho. E a gente vai precisar, nesse momento, abrir a caixa-preta do estado, porque o governo Paulo Câmara deixa um legado de um estado muito pior do que recebeu. Somos campeões de pobreza, de desemprego, pior estado para empreender do Brasil, região metropolitana mais pobre entre todas as regiões metropolitanas do Brasil, e a gente vai entender durante a transição para dentro. A gente sabe o diagnóstico para fora, precisamos fazer o diagnóstico para dentro das contas do estado. Como estão de fato as contas de Pernambuco? Seus contratos, fornecimentos, serviços, prestações de serviço, recursos humanos, patrimônio? A gente vai precisar enxergar o para dentro nesse amplo movimento de transição para traçar o diagnóstico de pernambuco e começar a trabalhar a partir de janeiro de 2023. 
 
Lula
 
A gente sempre disse que o que Pernambuco precisava era de união. Do seu povo, da classe política, a gente já demonstrou que era possível fazer isso no segundo turno, quando unimos, do litoral ao Sertão, lulistas e bolsonaristas e conseguimos representar, nesse processo eleitoral, com quase 60% dos votos, que o estado está unido dentro de um projeto que possa devolver Pernambuco aos pernambucanos e reposicionar pernambuco em relação ao Nordeste e ao Brasil. Vamos apresentar ao presidente Lula os projetos importantes para garantir investimentos para o nosso estado , para fazer Pernambuco voltar a crescer, sem deixar ninguém para trás. E a gente vai procurar o presidente, assim como toda a bancada federal e senadores.
 
Secretariado
 
A gente venceu as eleições ontem (domingo). Vamos instalar a comissão de transição. Eu nem tive tempo de parar e sentar para conversar com Priscila (Krause). A gente está conversando entre um intervalo e outro entre as entrevistas, passei o dia inteiro em entrevista hoje, e a gente vai fazer essa discussão ao longo desse movimento de transição . A gente tem tempo para construir o secretariado e quem tem tempo não tem pressa.
 
Eleição 2024
 
De minha parte, seria uma irresponsabilidade, nem ter assumido o governo do estado e tratar da próxima eleição. Não falarei sobre eleição de 2024.
 
Do Diário de Pernambuco
Compartilhe:

Deixe um comentário