banner5

Corpo de Bombeiros alerta para cuidados que devem ser tomados para evitar incêndios residenciais.

Nas últimas semanas, a região metropolitana do Recife tem sido palco de tristes incidentes, com o registro de três grandes incêndios em edifícios, dois habitados e um em construção (Foto: Ruan Pablo/DP foto)
Nas últimas semanas, a região metropolitana do Recife tem sido palco de tristes incidentes, com o registro de três grandes incêndios em edifícios, dois habitados e um em construção (Foto: Ruan Pablo/DP foto)
A Corporação orienta sobre os procedimentos para acionamento do Corpo de Bombeiros, assim como sobre a importância de manter estruturas preventivas nos edifícios residenciais.
Nas últimas semanas, a região metropolitana do Recife tem sido palco de tristes incidentes, com o registro de três grandes incêndios em edifícios, dois habitados e um em construção.
Diante desse cenário preocupante, é crucial que a população esteja ciente dos cuidados a serem tomados dentro de casa para prevenir tais tragédias.
Além disso, é fundamental que todos saibam como acionar prontamente o Corpo de Bombeiros Militar de Pernambuco em caso de emergência, garantindo uma resposta rápida e eficaz.
Para os condomínios, a regularização dos sistemas preventivos contra incêndio é um passo fundamental para garantir a segurança de todos os moradores.
É essencial atender às exigências da Corporação, seguindo à risca as normas e diretrizes de prevenção contra incêndios, visando proteger vidas e patrimônios.
Além disso, medidas simples, como estar em dia com a manutenção dos equipamentos, não sobrecarregar tomadas elétricas e ter um plano de evacuação em caso de incêndio, podem contribuir significativamente para a segurança de nossas famílias e comunidades.
Caso todas essas medidas falhem, o número 193 deve ser discado imediatamente para pronto acionamento das equipes de emergência do Corpo de Bombeiros Militar de Pernambuco.

Prato típico da Sexta-Feira Santa, bacalhau é livre para quem tem hipertensão? Veja o que diz cardiologista.

Bacalhau da Noruega grelhado com legumes e batatas esmagadas. O prato oferece diversos benefícios para a saúde, o que inclui a prevenção de doenças cardiovasculares
Bacalhau da Noruega grelhado com legumes e batatas esmagadas. O prato oferece diversos benefícios para a saúde, o que inclui a prevenção de doenças cardiovasculares – CONSELHO NORUEGUÊS DA PESCA/DIVULGAÇÃO

Para consumir o bacalhau, primeiramente a pressão arterial precisa estar bem controlada com as medicações prescritas pelo médico.

Prato típico da Semana Santa, o bacalhau é um peixe rico em nutrientes e com baixo teor de gordura.

O prato oferece diversos benefícios para a saúde, o que inclui a prevenção de doenças cardiovasculares.

No entanto, devido ao processo de preparação do pescado, que envolve salgá-lo para desidratar a carne e preservar o produto por um longo período, o consumo pode ser um risco para quem tem hipertensão.

“Mesmo após dessalgá-lo, o bacalhau ainda concentra uma grande quantidade de sal. A cada 200 gramas do peixe, pode haver até 5 gramas (de sal), dependendo do método de preparação e do tempo de salga, valor esse que excede a recomendação diária para os pacientes com hipertensão”, explica o cardiologista Celso Amodeo, especialista em hipertensão arterial do Hcor.

O alto consumo de sal é um problema de saúde pública em diversos países. No Brasil, a população consome cerca de 12 gramas por dia – mais que o dobro do recomendado.

Como consequência desse e de outros maus hábitos, o número de pessoas com hipertensão aumenta a cada ano.

“Atualmente, a pressão alta atinge mais de 30 milhões de brasileiros. A doença é preocupante porque é silenciosa e causa danos ao coração, aos rins e ao cérebro, sem apresentar sintomas em estágios iniciais”, alerta Celso Amodeo.

O que fazer? 

Para consumir o bacalhau, primeiramente a pressão arterial precisa estar bem controlada com as medicações prescritas pelo médico.

Em seguida, é importante entender que não se deve consumir mais de 5 gramas de sal por dia.

“Isso implica comer somente uma porção de até 100 gramas de bacalhau (2,5 gramas de sal), visto que no preparo do mesmo e dos acompanhamentos, como arroz (carboidratos), vegetais e legumes, deverão conter as outras 2,5 gramas recomendadas pelas Diretrizes Brasileiras de Hipertensão”, ressalta o cardiologista.

Além disso, o azeite também traz benefícios para a saúde, mas é preciso utilizá-lo com parcimônia devido à alta quantidade de calorias. Enquanto 1 grama de açúcar tem 4 calorias, 1 grama de azeite contém cerca de 9.

“É preciso conscientização e responsabilidade da pessoa com hipertensão no preparo do prato, visto o alto teor de sal utilizado nos alimentos dessa refeição”, reforça o Celso Amodeo.

“A matéria apresentada neste portal tem caráter informativo e não deve ser considerada como aconselhamento médico. Para obter informações fornecidas sobre qualquer condição médica, tratamento ou preocupação de saúde, é essencial consultar um médico especializado.”

Por Cinthya Leite E Equipe.

 

 

Dois homens morrem afogados em açude no interior; saiba quais são os cuidados.

Os corpos das vítimas foram levados para o IML de Caruaru (Foto: Romulo Chico/Arquivo DP)
Os corpos das vítimas foram levados para o IML de Caruaru (Foto: Romulo Chico/Arquivo DP)

Os casos aconteceram nos municípios de Agrestina e Sertânia.

Dois homens morreram vítimas de afogamento em açudes no Agreste e Sertão de Pernambuco neste final de semana. Os casos aconteceram nos municípios de Agrestina e Sertânia.
A primeira vítima foi identificada como Clebson da Silva, de 27 anos. Ele desapareceu enquanto tomava banho no Sítio Saquinho, na zona rural de Agrestina, e foi procurado por familiares que foram até o local para tentar encontrá-lo.
O corpo do homem só foi localizado pelo Corpo de Bombeiros e levado para o Instituto de Medicina Legal (IML) de Caruaru.
Já a segunda vítima foi Cícero Belarmino da Silva, de 51 anos, que morreu enquanto tomava banho no Açude Barra. Ele chegou a ser levado por moradores da região para um hospital de Sertânia, mas chegou na unidade já sem vida. O corpo dele também seguiu para o IML de Caruaru.
Dados da Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático (Sobrasa) mostram que os afogamentos são a causa de 5,7 mil mortes por ano no país.
Antes de tomar banho em açudes e rios, é importante seguir algumas orientações e ficar atento aos riscos destes locais.
  • Não ingerir bebidas alcoólicas e nem comer em excesso antes de entrar em rios e açudes;
  • Saber a profundidade do local;
  • Ter atenção redobrada com crianças e idosos;
  • Evitar tomar banho em rios com correnteza;
  • Não saltar de locais altos;
  • Evitar prestar socorro a uma pessoa que esteja se afogando. O melhor a se fazer é acionar o Corpo de Bombeiros.
  • Por: Adelmo Lucena

Fora dos holofotes, covid-19 já matou mais pessoas que a dengue em 2024.

O novo coronavírus saiu dos holofotes após a chegada de diversos imunizantes, mas continua vitimando milhares de pessoas no país por mês (Foto: Marcello Camargo/Agência Brasil)
O novo coronavírus saiu dos holofotes após a chegada de diversos imunizantes, mas continua vitimando milhares de pessoas no país por mês (Foto: Marcello Camargo/Agência Brasil)
Nos três primeiros meses do ano, a covid-19 já vitimou 2.066 pessoas no Brasil
A alta de casos de doenças como dengue e gripe em Pernambuco tem assustado a população e chamado a atenção de órgãos de saúde de todo o estado. O foco nos cuidados contra estas doenças faz com que muitas pessoas ignorem a covid-19, que ainda mata mais pessoas no Brasil do que a dengue e segue sendo um inimigo invisível a olhos nus.
O novo coronavírus saiu dos holofotes após a chegada de diversos imunizantes, mas continua vitimando milhares de pessoas no país por mês. Somente em 2024, já foram registradas 2.066 mortes pela doença, uma média de quase 30 pessoas por dia. Já as arboviroses, doenças transmitidas por mosquitos, foram responsáveis pela morte de 656 brasileiros neste ano. No entanto, estas últimas têm ganhado mais atenção das autoridades e da mídia.
No final de 2023, os pernambucanos viram os casos de covid-19 dispararem com a chegada das festas de fim de ano, causando angústia e a dúvida sobre um possível retorno da pandemia e do uso de máscaras e álcool em gel. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES), entre os dias 1º de janeiro e 16 de março de 2024, foram 11.963 casos confirmados da doença. Neste mesmo período, o País registrou 48.038 novos casos.
Desde o início da pandemia, Pernambuco contabilizou 1.230.871 casos de covid-19 e, com isso, o Brasil já acumula 38.694.211 casos. Além disso, há um crescimento de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) na maior parte do país, em todas as faixas etárias analisadas pelo Boletim InfoGripe, divulgado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).
O cenário se dá pela variação de vírus que circulam no Brasil, como o Sars-CoV-2 (covid-19), influenza (gripe), vírus sincicial respiratório (VSR) e rinovírus. O boletim divulgado pela Fiocruz mostra que Pernambuco é um dos estados que apresenta indícios de crescimento de SRAG na tendência de longo prazo (últimos seis meses).
A pesquisa revela que o País já registra 1.218 óbitos somente este ano em decorrência da síndrome e, deste total, 90,9% foram causadas pelas complicações da covid-19. Há algumas semanas, a Fiocruz emitiu um alerta para os brasileiros ficarem atentos por conta do cenário atual, em que há a circulação simultânea dos vírus da covid-19 e da dengue, causando dúvidas na população pela semelhança entre os sintomas.
Como diferenciar dengue e covid-19?
Por conta da explosão de casos de dengue nos últimos meses e a continuação dos casos silenciosos de covid-19, sintomas como dor de cabeça, febre, dor no corpo e mal-estar deixam as pessoas incertas sobre qual o diagnóstico.
A infecção por estas duas doenças ocorre de maneira diferente. Enquanto a covid-19 é transmitida por via aérea, a dengue ocorre por conta da picada do mosquito Aedes aegypti.
“A transmissão da covid-19 acontece de pessoa para pessoa. É uma transmissão respiratória por tosse, expectoração, gotículas, contato de mão. Muitas vezes, a pessoa assoa o nariz, não higieniza as mãos e passa para outra pessoa”, explicou à Agência Brasil o infectologista do Serviço de Controle de Infecção do Hospital Albert Einstein, Moacyr Silva Junior.
 
“A dengue não, está relacionada ao mosquito mesmo. O mosquito pica uma pessoa infectada e, posteriormente, vai picar outra pessoa sã e transmitir o vírus de uma pessoa para outra, mas você tem o vetor”, completou.
Entre os principais sintomas da covid-19 estão dor de cabeça, coriza, tosse, febre e dores musculares. Já as pessoas com dengue desenvolvem mal-estar, dores no corpo, febre alta e dores atrás dos olhos.
Covid-19 ainda mais forte, mas com mesma roupagem
 (Foto: Peter llicciev/Fiocruz)
Foto: Peter llicciev/Fiocruz
Desde que a pandemia começou, em março de 2020, o novo coronavírus apresentou diversas modificações para se fortalecer, gerando ondas, picos e momentos de relaxamento e tranquilidade.
Em 2023, a Organização Mundial da Saúde (OMS) passou a monitorar uma nova variante do novo coronavírus chamada de BA.2.86 por conta da quantidade de mutações. Além desta variante, outras duas são monitoradas pela OMS. “A organização continua pedindo melhor vigilância, sequenciamento e notificação de covid-19 porque esse vírus continua a circular e evoluir”, informou a organização.
A variante com mais mutações foi identificada em um paciente na Indonésia, com 113 alterações genéticas. Mesmo com os potenciais das variantes do vírus, os cuidados para evitar a contaminação continuam os mesmos.
Entre as principais medidas para prevenir da covid-19 estão:
  • Lavar as mãos por pelo menos 20 segundos;
  • Utilizar álcool em gel para higienizar as mãos e punhos;
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos sujas;
  • Evitar contato com pessoas doentes;
  • Usar máscara em locais lotados;
  • Limpar diariamente as superfícies tocadas com frequência;
  • Cumprir o calendário vacinal.
Onde tomar  a vacina da covid-19
 ( Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil)
Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil
A vacinação continua sendo a maneira mais eficaz de prevenir a covid-19. Uma pesquisa feita pela Fiocruz mostra que a efetividade das vacinas contra covid-19 usadas em crianças e adolescentes é de quase 90%.
Apesar disso, apenas 11,4% dos jovens com menos de 14 anos receberam as três doses do imunizante no Brasil. A vacina para prevenção da covid-19 está disponível para crianças a partir de 6 meses de idade desde 2023. Os idosos e pessoas com comorbidades também fazem parte do grupo de risco e, por este motivo, são os primeiros na fila para receber as doses do imunizante.
No Recife, há cinco centros de vacinação que funcionam de domingo a domingo, são eles: Unidade Básica Tradicional (UBT) José Dustan (Rua Maurício de Nassau, s/n, Iputinga,  próxima ao Terminal de Ônibus de Monsenhor Fabrício), de 8h às 12h e de 13h às 17h. Além disso, há um centro no Parque Dona Lindu, na Avenida Boa Viagem, que atende das 8h às 12h.
Em Jaboatão dos Guararapes, o imunizante está disponível em todas as unidades de saúde da atenção básica e especializada do município. Confira a lista clicando aqui.
Já em Olinda, a vacinação ocorre nas unidades de saúde e policlínicas, que estão abertas de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h. Os moradores ainda podem receber a dose da vacina no Shopping Patteo, de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h.

 

Anvisa: 28% dos alimentos industrializados têm sódio em excesso.

A coleta e a análise das amostras ocorreram de janeiro de 2020 a dezembro de 2021 (foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil/Arquivo )
A coleta e a análise das amostras ocorreram de janeiro de 2020 a dezembro de 2021 (foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil/Arquivo

Entre as categorias consideradas críticas estão bolos prontos sem recheio, pães de forma e requeijão.

Relatório divulgado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aponta que 28% dos produtos industrializados monitorados por autoridades brasileiras em 2020 e 2021 não atingiram as metas estabelecidas para redução de sódio. De acordo com a Anvisa, as categorias classificadas como críticas são biscoito salgado, bolos prontos sem recheio, hambúrgueres, misturas para bolo aerado, mortadela conservada em refrigeração, pães de forma, queijo muçarela e requeijão.

O relatório cita, entretanto, “alentador progresso” observado em algumas categorias, como o caso de biscoitos doces tipo maria e maisena, indicando “uma tendência positiva”. “Ao ponderarmos sobre a oscilação nas amostras de batatas fritas e palhas industrializadas e a conformidade consistente dos cereais matinais, torna-se evidente que diferentes categorias demandam abordagens específicas”, pontuou a Anvisa.

Já a análise das categorias caldos em pó e em cubo, temperos em pasta, temperos para arroz e demais temperos, segundo o relatório, aponta dificuldades e avanços no monitoramento do teor de sódio em alimentos industrializados, com algumas categorias mantendo a conformidade e outras exigindo esforços adicionais.

“No cenário mais amplo, identificamos tanto progressos quanto desafios persistentes na redução do teor de sódio em alimentos industrializados. A análise abrangente do panorama brasileiro revela que o país enfrenta obstáculos significativos para atingir as metas regionais estabelecidas na diminuição do consumo de sódio, apresentando a menor adesão em comparação com outros países da América Latina e do Caribe.”

“Isso sublinha a urgência de reavaliar e aprimorar as estratégias atualmente em vigor. A colaboração contínua entre órgãos reguladores, a indústria alimentícia e a sociedade civil permanece fundamental para atingir as metas preestabelecidas e incentivar hábitos alimentares mais saudáveis”, destacou a agência.

O monitoramento se pautou na determinação do teor de sódio de amostras de produtos industrializados coletados em estabelecimentos comerciais e agrupadas conforme categorias pactuadas em acordos estabelecidos entre o Ministério da Saúde e o setor regulado.

A coleta e análise das amostras ocorreram de janeiro de 2020 a dezembro de 2021. Nesse processo, um fiscal da vigilância sanitária estadual foi responsável pela coleta em locais estratégicos, como mercados e estabelecimentos de venda de alimentos industrializados, seguindo um plano amostral nacional.

As amostras foram enviadas aos laboratórios centrais de Saúde Pública (Lacen) e ao Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS), onde foram realizadas análises de sódio conforme metodologias oficiais, além da verificação da rotulagem.

Açúcar

A Anvisa divulgou ainda uma análise detalhada do monitoramento do teor de açúcares em alimentos industrializados no ano de 2021. Entre as 11 categorias avaliadas, constatou-se que 81,8% exibiram um teor médio de açúcares dentro dos limites definidos. As duas categorias que não atingiram as metas estabelecidas foram biscoitos doces sem recheio e biscoitos tipo wafers.

De acordo com o relatório, categorias como refrigerantes, néctares e refrescos estão em conformidade com os padrões estabelecidos, sugerindo uma tendência positiva no setor. Além disso, as categorias biscoitos maria e maisena e biscoitos recheados apresentaram 100% de conformidade com os limites estabelecidos para o teor de açúcares, destacando “uma aderência satisfatória por parte dos fabricantes”.

“No entanto, é crucial destacar que o segmento de biscoitos da indústria alimentícia ainda carece de melhorias significativas, uma vez que biscoitos sem recheio e do tipo wafer excederam os limites estabelecidos para teor de açúcares, indicando um menor nível de adesão às diretrizes regulatórias em comparação com outras categorias analisadas.”

“É fundamental reforçar a importância de políticas públicas eficazes voltadas para a redução do consumo de açúcares e a promoção de uma alimentação saudável. A implementação de estratégias educativas e de conscientização, aliada à regulamentação e fiscalização, desempenha um papel crucial na proteção da saúde da população e na prevenção de doenças crônicas não transmissíveis”, concluiu a Anvisa.

O monitoramento baseou-se na quantificação dos níveis de açúcares presentes em amostras de alimentos coletados em estabelecimentos comerciais e categorizados conforme acordo voluntário estabelecido entre o Ministério da Saúde e o setor regulado. Os resultados das análises foram documentados no Sistema de Gerenciamento de Amostras Laboratoriais.

A condução desse processo foi realizada de forma colaborativa pela Anvisa e vigilâncias sanitárias estaduais, municipais e do Distrito Federal. No período compreendido entre janeiro e dezembro de 2021, foram conduzidas atividades de coleta e análise de amostras alimentares em conformidade com um plano amostral nacional preestabelecido. As amostras obtidas foram posteriormente encaminhadas aos laboratórios oficiais de saúde pública.

Por: Agência Brasil

SDS e Polícia Civil de Pernambuco alertam sobre o golpe do emprego falso

Foto: Tiago Ghizoni/Arquivo DC

Neste domingo (10), a Secretaria de Defesa Social (SDS) e a Polícia Civil de Pernambuco (PCPE) emitiram um alerta para a população através de suas redes sociais, com o objetivo de alertar a população sobre um golpe que vem sendo aplicado por meio da ofertas de empregos falsos em grandes empresas. O crime envolve o envio de mensagens com links para se candidatar às supostas vagas de emprego. Esses links, no entanto, são projetados para capturar dados pessoais das vítimas, possibilitando a realização de fraudes.

A mensagem compartilhada pelas autoridades destaca a importância de não clicar em links suspeitos e de sempre verificar a autenticidade das ofertas de emprego, especialmente se forem recebidas por mensagem e não pelos canais oficiais das empresas.

A iniciativa das autoridades visa a proteger os cidadãos contra esse tipo de fraude, alertando sobre os riscos e orientando sobre como agir diante de suspeitas de golpes. A colaboração da população é fundamental para evitar que mais pessoas sejam vítimas desse tipo de delito. A segurança dos cidadãos é uma prioridade e, com a conscientização, espera-se minimizar o impacto dessas ações fraudulentas.

Carlos Brito

No dia D de combate à dengue, prefeitura de Afogados fará mutirão no Conj. Laura Ramos .

Apesar do indicador de infestação predial (LIRA) de Afogados da Ingazeira ser baixo, algumas áreas específicas precisam de uma atenção especial no tocante ao combate ao mosquito transmissor da dengue. Mais especificamente o bairro Sobreira e o Conjunto Residencial Laura Ramos.

E neste sábado (02), no dia determinado pelo Ministério da Saúde como dia “D” de mobilização contra a dengue, a Prefeitura de Afogados fará um mutirão no Conjunto Residencial Laura Ramos. A atividade terá início às 8h e irá reunir 40 profissionais da Secretaria Municipal de Saúde, envolvendo agentes de endemias, agentes comunitários de saúde, técnicos da vigilância em saúde dentre outros. A ordem é identificar e erradicar todo e qualquer foco do mosquito transmissor. No Sobreira, as atividades de combate e prevenção à dengue foram realizadas esta semana.

Cuidados com dengue devem ser maiores na gestação.

Grávidas e puérperas estão entre os grupos populacionais mais suscetíveis a complicações e evolução para as formas mais graves da dengue (Foto: Pixabay)
Grávidas e puérperas estão entre os grupos populacionais mais suscetíveis a complicações e evolução para as formas mais graves da dengue (Foto: Pixabay)
Alerta é da Federação Brasileira de Ginecologia Obstetrícia.

O odor e o aumento do gás carbônico exalado pela pele das gestantes, aliados ao aumento da sua temperatura corporal, são fatores importantes para a atração do mosquito Aedes aegypti. Além disso, as grávidas e puérperas estão entre os grupos populacionais mais suscetíveis a complicações e evolução para as formas mais graves da dengue.

O número de casos de dengue em gestantes aumentou 345,2% nas seis primeiras semanas deste ano, na comparação com o mesmo período de 2023, segundo dados epidemiológicos do Ministério da Saúde divulgados nesta sexta-feira (1º).
Diante desse cenário, a  Federação Brasileira de Ginecologia Obstetrícia (Febasgo) lançou o Manual de Prevenção, Diagnóstico e Tratamento da Dengue na Gestação e no Puerpério, em colaboração com o Ministério da Saúde e a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas). O guia foi elaborado pelo Grupo de Trabalho dedicado ao manejo da doença em gestantes e puérperas, composto por 16 especialistas em ginecologia obstetrícia e traz dicas para evitar o contágio e prevenir complicações relacionadas à dengue.
“Uma vez infectadas, as gestantes têm maiores chances de apresentar desfechos desfavoráveis em comparação com não gestantes. Portanto, esse grupo é de especial interesse e cuidado”, explica o médico Antônio Braga, membro do Grupo de Trabalho sobre Dengue na Gestação da Febrasgo
Prevenção
O controle dos criadouros de Aedes aegypti, as barreiras mecânicas para evitar que o mosquito entre nas residências, como telas em portas e janelas, o uso de inseticidas, de roupas apropriadas e de repelentes estão entre as recomendações para evitar a contaminação. O uso de inseticidas por vaporização ambiental, também chamada de nebulização espacial ou fumacê, ou domiciliar, também está entre as medidas recomendadas.
Segundo a Febrasgo, as gestantes devem priorizar o uso de repelentes aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), como picaridina, icaridina, N,N-dietil-meta-toluamida (DEET), IR 3535 ou EBAAP.
Outra variável importante é a preferência de cor para a qual o mosquito é atraído. A Febrasgo recomenda evitar o uso de roupas de cor vermelha, azul, alaranjada ou preta. Por sua vez, a cor branca não atrai o mosquito.
Recomendações 
Em casos de infecção com menor gravidade, a orientação é repouso e aumento da ingestão de líquidos. Gestantes com dengue requerem avaliação diária, incluindo repetição do hemograma até 48 horas após a febre desaparecer.
Se o estado for grave, com sinais de alarme, a internação é indicada. Em situações de choque, sangramento ou disfunção grave de órgãos, a paciente deve receber tratamento em uma unidade de terapia intensiva.

Mutirão contra o Aedes Aegypti: Ações de limpeza no cemitério de Carnaíba.

A Secretaria de Saúde de Carnaíba realizou um mutirão de limpeza e eliminação de possíveis focos do mosquito Aedes Aegypti no cemitério público do município. A ação teve como objetivo prevenir a dengue e outras arboviroses, que são transmitidas pelo mosquito.
A força tarefa contou com a participação de profissionais da atenção primária, vigilância em saúde e trabalhadores do cemitério, que vistoriaram os túmulos, vasos, caixas d’água, calhas e outros locais que pudessem acumular água parada, onde o mosquito pode se reproduzir.
A ação faz parte da campanha nacional de enfrentamento às arboviroses, que busca mobilizar a população para o enfrentamento ao mosquito, responsável por causar doenças graves como a dengue, a chikungunya e a zika.
Por: Lúcio Lima.

Perda de peso expressiva e não intencional pode ser indício de câncer, revela estudo.

O tipo de câncer mais observado foi o de trato gastrointestinal superior
O tipo de câncer mais observado foi o de trato gastrointestinal superior – Freespik

Esse é um dos principais achados de uma pesquisa conduzida na Universidade Harvard, nos Estados Unidos.

A taxa de incidência de câncer entre pessoas que perderam mais de 10% do peso corporal em dois anos foi 37% maior em comparação com aquela observada quando não houve emagrecimento nessa magnitude após 12 meses.

Esse é um dos principais achados de uma pesquisa conduzida na Universidade Harvard, nos Estados Unidos, e publicada em janeiro na revista científica Journal of the American Medical Association (JAMA), uma das mais reconhecidas da área.

O levantamento contou com a participação de 157.474 profissionais de saúde com mais de 40 anos de idade e durou, em média, 28 anos. Durante a pesquisa, os cientistas levaram em conta as intenções dos participantes quanto à perda de peso. Isso foi medido por meio da prática de exercícios físicos e da adesão a uma dieta de qualidade durante dois anos.

Focando apenas nas pessoas que não tinham nenhuma intenção de emagrecer, mas perderam 10% do peso em dois anos, a incidência de câncer foi 95% maior do que entre os que mantiveram o peso. Entre os que eliminaram esses quilos de maneira intencional, o diagnóstico de câncer foi 30% maior.

Os resultados indicam, portanto, que um emagrecimento expressivo e, principalmente, não intencional, pode ser um sintoma importante da presença de um tumor.

Segundo o educador físico Leandro Rezende, professor do Departamento de Medicina Preventiva da Escola Paulista de Medicina (EPM/Unifesp) e um dos coautores do trabalho, esses resultados, contudo, não indicam que uma perda de peso por si só deva gerar alarme ou preocupação exagerada.

O especialista frisa que o mais importante é ficar de olho nas características desse processo de emagrecimento.

“Perder peso, mesmo quando você tem essa intenção, não é fácil. Por isso, uma perda expressiva, como de 10% da massa corporal em dois anos, especialmente quando não intencional, pode ser um sinal de uma doença não diagnosticada – como um câncer. Nesses casos, vale a pena procurar um médico”, explica.

Ainda de acordo com Rezende, indivíduos com baixa intencionalidade de perder peso (isto é, pouco comprometidas com a prática de exercícios ou com uma alimentação equilibrada) registraram uma incidência de diagnósticos de câncer mais de duas vezes superior em relação a quem não perdeu peso.

Qual tipo de câncer prevaleceu?

De acordo com o estudo, o tipo de câncer mais observado (173 casos/100 mil pessoas) nos 12 meses seguintes entre os participantes que perderam mais de 10% do peso corporal foi o de trato gastrointestinal superior – que acomete esôfago, estômago, fígado, trato biliar ou pâncreas.

O oncologista gastrointestinal Felipe Coimbra, do A.C. Camargo Cancer Center, em São Paulo, comenta que os resultados da pesquisa são condizentes com o que ele observa no dia a dia. “A perda de peso é uma característica frequentemente associada aos cânceres do trato gastrointestinal. Isso acontece porque o tumor pode obstruir fisicamente o caminho do alimento, dificultando a sua ingestão ou causando sintomas que desencorajam a alimentação, como dor e desconforto”, explica.

O especialista comenta ainda que, além da perda de peso não intencional, é preciso prestar atenção em outros possíveis sintomas. São eles:

  • Dificuldade para engolir;
  • Sensação de plenitude (estômago cheio) precoce;
  • Estufamento no abdômen;
  • Dor abdominal persistente;
  • Sangramentos gastrointestinais (evidenciado por fezes escuras ou vômito com sangue);
  • Má digestão;
  • Mudanças no hábito intestinal, como diarreia e constipação crônica.

“É fundamental ficar de olho nos sinais do seu corpo e, no caso de sintomas suspeitos e mudanças persistentes, procurar um médico. A detecção precoce é um dos pilares mais importantes para vencer o câncer”, destaca.

Emagrecimento rápido pode sinalizar outros tipos de tumores?

Sim. Um exemplo são os linfomas, cânceres que acometem o sistema linfático, responsável pelo combate de infecções. O hematologista Eduardo Rego, professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), coordenador nacional de Hematologia Oncológica da Rede D´Or e pesquisador do IDOR, reforça que a perda de peso expressiva (de mais de 10% da massa corporal) deve chamar a atenção sobretudo quando ocorre em um período de três meses e não está vinculada a comportamentos ligados ao emagrecimento.

Segundo o especialista, nos linfomas, o tumor provoca mudanças na produção de moléculas que interferem no metabolismo do tecido gorduroso e muscular e, consequentemente, levam à perda de peso. “Trata-se de um quadro inflamatório que ocasiona uma mudança no padrão de consumo de energia”, descreve.

Apesar disso, Rego destaca que a perda de peso é apenas um dos aspectos que merecem ser considerados. “Os pacientes costumam ter também episódios de sudorese (suor) noturna e febre leve ao final do dia”, exemplifica.

O oncologista Oren Smaletz, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, frisa que, na verdade, um emagrecimento tão expressivo deve acender o alerta para outros tipos de tumores. “Pacientes com câncer muitas vezes têm um desbalanço hormonal que causa a sensação de saciedade e diminui o apetite. Por isso, de forma geral, muitos deles podem apresentar perda de peso”, justifica.

Por: JC.