banner5

Festa dos Romeiros do município Solidão inclusa no Calendário Oficial de Pernambuco.

Projeto foi proposto pelo deputado José Patriota, e reconhece essa celebração de fé e cultura do Pajeú

Através de projeto do deputado estadual José Patriota, a Lei n° 18.504, promulgada pela Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), acrescenta a Festa dos Romeiros de Solidão como um evento oficial no terceiro domingo do mês de outubro. Essa inclusão reconhece a importância histórica e cultural dessa festividade para a região e para todo o estado.

“Estamos muito satisfeitos com a inclusão da Festa dos Romeiros de Solidão no Calendário Oficial de Eventos e Datas Comemorativas de Pernambuco. Esta é uma celebração que reflete a rica cultura e a profunda fé do povo sertanejo”, afirmou Patriota, natural do Sertão do Pajeú.

Com essa inclusão no calendário oficial, a Festa dos Romeiros de Solidão ganha ainda mais visibilidade e reconhecimento, fortalecendo a identidade cultural e religiosa da região.

Atuação em Solidão – José Patriota tem atuado lado a lado com o prefeito Djalma Alves em busca da melhoria das estradas do município de Solidão. Essa parceria tem como objetivo promover o desenvolvimento local e proporcionar mais qualidade de vida para os moradores da região.

A inclusão da Festa dos Romeiros de Solidão no calendário oficial de eventos e datas comemorativas de Pernambuco é um marco significativo para a comunidade local e para todo o estado, reafirmando o compromisso com a valorização de nossa cultura e tradições.

 

 

Igreja das Fonteiras terá festa pelos 60 anos da chegada de Dom Helder na Arquidiocese de Olinda e Recife .

Arquidiocese de Olinda e Recife recebeu Dom Helder, no dia 11 de abril de 1964, para escrevendo, a partir de então, uma nova história para os mais humildes dessa Arquidiocese
Arquidiocese de Olinda e Recife recebeu Dom Helder, no dia 11 de abril de 1964, para escrevendo, a partir de então, uma nova história para os mais humildes dessa Arquidiocese – Internet

Foi dormir Bispo do Maranhão e acordou Arcerbispo em Pernambuco, da Arquidiocese de Olinda e Recife.

Para comemorar os 60 anos de Dom Helder na Arquidiocese de Olinda e Recife, o IDHeC – Instituto Dom Helder Camara promoverá mais um encontro Helderiano, na próxima quinta-feira, 4 de abril, às 19h, na Igreja das Fronteiras.

O padre Helder Camara chegou ao Rio de Janeiro em 1936, com 27 anos de idade. Em 1952 foi sagrado bispo auxiliar. Quando saiu de lá em 1964, já contava com mais anos vivendo no Rio, 28, do que a idade com a qual ali chegara. Entretanto jamais esqueceu de suas raízes nordestinas.

De janeiro a março de 1964 o Vaticano transferiu Dom Helder do Rio de Janeiro para Salvador onde ele exerceria a função de Administrador Apostólico, mas antes de sequer ser enviado a Salvador, outra transferência foi anunciada: Maranhão, para arcebispo de São Luís.

Totalmente consagrado ao Evangelho, o padre tinha decidido ir para onde fosse enviado. No entanto sentia antecipadamente a saudade de tudo que construíra na chamada “Cidade Maravilhosa”, das obras sociais às boas e queridas amizades que tanto prezava.

Padre leiloa bolo por R$ 100 mil em festa religiosa na Paraíba.

O bolo foi disputado por dois grupos políticos da cidade, por isso os lances foram aumentando tanto  (foto: Reprodução/Redes sociais)
O bolo foi disputado por dois grupos políticos da cidade, por isso os lances foram aumentando tanto (foto: Reprodução/Redes sociais)

A proposta inicial era de R$ 5 mil. O bolo foi disputado por dois grupos políticos da cidade.

Um bolo foi arrematado por R$ 100 mil durante um leilão que ocorreu em festa religiosa realizada pelo padre Gleiber Dantas, na cidade de São Bento, na Paraíba, na sexta-feira (19). Segundo o pároco, o bolo é o item mais disputado nos leilões que realiza, mas o lance de R$ 100 mil foi o mais alto que ele já viu. A proposta inicial era de R$ 5 mil.

“A prenda mais cara que eu tinha visto na minha vida tinha sido no leilão de madrinha Santa Luzia em Mossoró, no Rio Grande do Norte, que toda vida eu sou chamado para fazer. Um oratório saiu por R$ 34 mil. Foi a prenda mais cara que eu já tinha visto”, contou o padre ao g1.

O religioso também destacou que o bolo foi disputado por dois grupos políticos da cidade, por isso os lances foram aumentando tanto. “Teve uma hora que me deu medo, porque eram dois grupos muito fortes, e ali o que mais estava em cena era mostrar que quem tirasse o bolo tinha mais força política”, cita Gleiber.

O bolo foi arrematado pelo empresário conhecido como Rafinha Banana e consumido pela população do bairro de Colinas do Sul, considerado um dos mais carentes da cidade paraibana.

Por: Correio Braziliense.

 

 

Confira as informações no Correio Braziliense.

Nossa Senhora da Penha é homenageada ccom procissão na Mata Sul.

Cortejo marcou festa da padroreira de Gameleira.
Nossa Senhora da Penha foi  homenageada (Foto: Divulgação )
Nossa Senhora da Penha foi homenageada (Foto: Divulgação )

Uma procissão marcou as homenagens para a padroeira de Gameleira, na Zona da Mata Sul pernambucana.

Os devotos se reuniram, no domingo (14), para reverenciar Nossa Senhora da Penha.
O cortejo também marcou o encerramento das festividades.
Essa festa tem mais de 150 anos e é um dos principais eventos religiosos da cidade.
Este ano, a festa teve como tema “Com a Virgem da Penha, sermos uma paróquia de comunidades eclesiais e missionárias”.
O cortejo percorreu as principais ruas do município, pelos bairros do Centro, Nova Gameleira, Santa Luzia e o bairro que leva o nome da padroeira.
Com faixas brancas na frente de suas residências, fiéis que não puderam comparecer ao evento, acompanharam a passagem da procissão de frente de suas casas.
O novenário em homenagem à Nossa Senhora da Penha começou no último dia 5 de janeiro.
Na programação, aconteceram a procissão da bandeira, celebrações eucarísticas, dentre outros atos de fé.

Como os padres católicos podem abençoar uniões homoafetivas? Entenda.

Documento autorizou expressamente os padres católicos a abençoarem uniões entre pessoas do mesmo sexo.

Papa Francisco
Papa Francisco – ANDREAS SOLARO / AFP

O documento do Vaticano que autorizou expressamente os padres católicos a abençoarem uniões entre pessoas do mesmo sexo estabelece as condições para o que essas bênçãos podem ou não envolver.

O objetivo geral é deixar bem claro para o casal e todos ao redor que essa bênção não se assemelha de forma alguma ao casamento, porque a Igreja Católica ensina que o casamento é uma união vitalícia entre um homem e uma mulher.

Nada mudou no posicionamento da igreja sobre o casamento, sua firme oposição ao casamento homoafetivo, ou sua crença de que qualquer tipo de sexo extraconjugal, homo ou heterossexual, é pecado.

O que diz o documento?

O documento do Dicastério para a Doutrina da Fé do Vaticano diz expressamente que os padres podem oferecer bênçãos a casais do mesmo sexo, desde que as bênçãos em si não se assemelhem de forma alguma a um casamento. Para evitar qualquer tipo de confusão, elas não devem ser oferecidas em conjunto com uma cerimônia de união civil, homo ou heterossexual.

Isso significa que os padres podem casar os casais LGBTQ+?

Não. Nada mudou quanto à firme oposição da Igreja Católica ao casamento homoafetivo, nem quanto ao ensinamento de que os atos homossexuais são “intrinsecamente perturbados”. O objetivo desse documento, na verdade, é permitir que qualquer casal em uma “união irregular” procure e receba o amor e a misericórdia de Deus por meio de uma bênção. Isso pode incluir casais LGBTQ+ e casais heterossexuais que não se casaram na igreja.

Como essas bênçãos podem ser realizadas?

Essas bênçãos podem ser oferecidas durante uma visita a um santuário católico, durante um encontro com um sacerdote, uma oração recitada em grupo, ou durante uma peregrinação. Mas elas não podem ser realizadas com “nenhuma roupa, gesto ou palavras próprios de um casamento”.

Essas orações estão escritas?

Para evitar qualquer confusão com as orações oficiais da igreja, a bênção não deve ser codificada, nem estabelecida em procedimentos ou rituais definidos pelas dioceses ou conferências episcopais. Os padres devem ser treinados para oferecer bênçãos “espontaneamente” fora do conjunto de bênçãos aprovadas pela igreja.

Há mais novidades em vista?

Para deixar clara a natureza informal e espontânea dessas bênçãos, o Vaticano declarou que não tem planos de regular detalhes ou aspectos práticos sobre as bênçãos às uniões homoafetivas, nem responder a mais perguntas sobre elas, deixando a tarefa a cargo de cada sacerdote, individualmente.

da Estadão Conteúdo/ JC

 

Padre montou presépio com duas mães do menino Jesus e gera indignação de católicos conservadores.

O Padre de Avellino causou controvérsia ao criar um presépio com duas mulheres, uma representação que, segundo ele, simboliza o nascimento de Jesus e as novas formas de família que participam da missa na paróquia.

No entanto, a iniciativa não foi bem recebida por todos na Itália, com mais de 21 mil pessoas pedindo a remoção das figuras.

Um presépio na igreja, no qual o padre representou as mães do menino Jesus com duas mulheres em vez das figuras convencionais de Maria e José, gerou indignação entre os católicos conservadores e políticos na Itália.

O padre da Igreja dos Santos Pedro e Paulo, em Capocastello di Mercogliano, um vilarejo na província de Avellino, localizado aproximadamente a uma hora de carro a leste de Nápoles, defendeu a representação singular do nascimento de Jesus, substituindo as estatuetas convencionais de Maria e José por duas mulheres.

Mas o senador Maurizio Gasparri, do partido co-governante Forza Italia, disse que a creche LGBT “ofende todos aqueles que sempre tiveram respeito e devoção pela Sagrada Família”.

O grupo “Pró-Vita & Famiglia” criticou o presépio, chamando-o de “perigoso, além de vergonhoso e blasfemo”. A Pro-Vita, que iniciou uma petição online buscando a intervenção do bispo de Avellino, argumentou que o presépio contradiz os ensinamentos da Igreja sobre a família e legitima a paternidade e a barriga de aluguel entre pessoas do mesmo sexo.

A petição já reuniu mais de 21.000 assinaturas. A gestação de aluguel é ilegal na Itália, e o parlamento está debatendo uma lei patrocinada pelo governo que também criminalizaria casais que buscam essa prática no exterior.

Nesta semana, um senador do partido Irmãos de Itália, liderado pela primeira-ministra Giorgia Meloni, propôs um novo projeto de lei que impediria diretores de escolas de proibirem atividades com temática católica, como peças de Natal ou a exibição de presépios.

Do Portal de Prefeitura

Papa Francisco fala de paz em Belém durante Missa do Galo no Vaticano.

A “terra prometida” por Deus é o motivo de conflito entre Israel e a Palestina há anos.
Papa Francisco celebra Missa do Galo no Vaticano ((crédito: Vatican News))
Papa Francisco celebra Missa do Galo no Vaticano ((crédito: Vatican News))

O Papa Francisco presidiu a Missa do Galo na noite deste neste domingo (24/12), na Basílica de São Pedro, no Vaticano. Em seu discurso, diversas vezes, ele comentou sobre o amor e criticou a guerra no Oriente Médio.

“Aqui está a maravilha do Natal: não uma mistura de sentimentos adocicados e confortos mundanos, mas a inaudita ternura de Deus que salva o mundo encarnando-se. Fixemos o Menino, olhemos para a sua manjedoura, para o presépio, que os anjos chamam ‘o sinal’: realmente constitui o sinal revelador do rosto de Deus, que é compaixão e misericórdia, onipotente sempre e só no amor”, afirmou o pontífice.

Ele seguiu a homília comentando sobre o significado do Natal. “Nesta noite, irmãos e irmãs, podemos perguntar-nos: Em que Deus acreditamos? No Deus da encarnação ou no da performance? Sim, porque há o risco de viver o Natal tendo na cabeça uma ideia pagã de Deus, como se fosse um patrão poderoso que está no céu; um deus que se alia com o poder, o sucesso mundano e a idolatria do consumismo”, sublinhou Francisco.

Ele, então, criticou a guerra no local onde Jesus nasceu. “E o nosso coração esta noite está em Belém, onde o Príncipe da Paz ainda é rejeitado pela lógica perdedora da guerra, com o estrondo das armas que ainda hoje O impede de encontrar alojamento no mundo”, afirmou.

O Papa concluiu a oração, dizendo que o amor muda tudo. “Nesta noite, o amor muda a história. Fazei, Senhor, que acreditemos no poder do vosso amor, tão diverso do poder do mundo. Fazei que, à semelhança de Maria, José, os pastores e os magos, nos estreitemos ao vosso redor para Vos adorar. Feitos por Vós mais semelhantes a Vós, poderemos testemunhar ao mundo a beleza do vosso rosto”, finalizou.

Por: Mayara Souto – Correio BrazilienseDP

 

Cantata Natalina emocionou quem foi à praça Arruda Câmara, em Afogados.

Uma noite de muita emoção, com o espírito e a mensagem do Natal revividos através de canções.

Conduzida pelos músicos e professores da Escola Municipal de Música Bernardo Delvanir Ferreira, a cantata contou também com a participação da banda e coral de crianças/alunos da escola, além de inúmeros convidados.

Grandes clássicos natalinos foram interpretados pelos músicos, com as participações muito especiais dos cantores Márcia Lytsia e Emanuel Martins e do Sanfoneiro Leandro Cavalcante. A cantata contou também com apresentações do Grupo Cultural Sanfonar, do Ballet Expressart, e a participação da bailarina Yasmin Charleany. As meninas do Ballet Semear também encantaram o público que se fez presente na noite de ontem (23) na Praça Monsenhor Alfredo de Arruda Câmara.

Iluminação da catedral – durante a cantata também foram acesas as luzes que iluminarão a nossa catedral nesse período de festas de Natal e ano novo, e durante o período da festa do nosso padroeiro Senhor Bom Jesus dos Remédios. A iniciativa conta com o apoio da Prefeitura de Afogados da Ingazeira, em parceria com a WN empreendimentos.

A iluminação é composta por 30 pontos de luz full led, iluminação robótica moving head, 30 metros de tubos leds, 02 painéis em led P5, 02 Strobo Led atomic e sistema operacional digital em DMX.

“A cantata natalina trás em sua essência, em seu cerne, a nossa esperança renovada com a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, ecoando a sua palavra, a sua mensagem de paz, amor e fraternidade, para que possamos enfrentar e superar as dificuldades. Desejo a todos e todas um feliz natal e um excelente 2024,” destacou o Prefeito de Afogados, Alessandro Palmeira.

A cantata contou também com as presenças do vice-prefeito Daniel Valadares, do Secretário de Cultura e Esportes Augusto Martins, e dos vereadores César Tenório e Erickson Torres.

 

O espírito do Natal.

O homem sempre está se dirigindo a algum lugar. Mas se decidirem mudar de caminho, esse destino também mudará

O personagem principal do conto de Dickens contempla um velho que morrerá só e desprezado. No cemitério, a sepultura anunciada "Aqui jaz Ebenézer Scrooge"

O personagem principal do conto de Dickens contempla um velho que morrerá só e desprezado. No cemitério, a sepultura anunciada “Aqui jaz Ebenézer Scrooge” – Medim/Internet

O Padre Davi de Melo, sacerdote católico, pároco da Matriz de São José, no Recife, Mestre em Direito (UFPE), nos escreve algumas linhas sobre um conto que leu (na verdade um clássico da literatura mundial) e nos oferece boas reflexões sobre a vida, neste moment9o do ano. Vale a pena a leitura, para o ano inteiro ou a vida toda.

O espírito do Natal

No “Conto de Natal”, do Charles Dickens, há na figura contrastante do Mr. Scrooge uma verdadeira chamada ao espírito natalino. E por falar em espírito, o velho sovina vai receber a visita de alguns deles a fim de despertar-lhe a consciência, que parecia estar em sono profundo.

Até então, era um homem gélido, amorfo, mesquinho, egoísta, solitário, avarento e apático. Os adjetivos negativos não faltam para qualificar a figura descrita com primor por Dickens.

“O frio e a influência tinham pouca influência sobre Scrooge. Calor algum podia aquecê-lo e nem o vento de inverno esfriá-lo. (…) A chuva, a neve e o granizo só tinham uma vantagem sobre ele: caíam com graça. E Scrooge não tinha graça alguma”.

O seu modo de ser, livremente querido, fazia com que essas qualidade negativas o isolassem cada vez mais do convívio social.

“Nenhum mendigo lhe pedia um xelim, nenhuma criança se aproximava para lhe perguntar as horas, nenhum homem ou mulher lhe solicitou, uma única vez, informação sobre qualquer coisa. Até os cachorros dos cegos pareciam conhecê-lo e, quando ele se aproximava, arrastavam seus donos para dentro do primeiro portão ou pátio que aparecia, sacudindo o rabo como se dissessem: – Meu caro patrão, é melhor não ter olhos do que ter olhos maus”.

A descrição é cortante. Para que vivia então o velho Scrooge? Para si. Fiava-se na sua própria ganância e amealhava – quanto mais melhor! – um patrimônio invejável. A despeito de tudo isso, era terrivelmente ranzinza. Não bastasse, a felicidade dos outros o incomodava profundamente.

“Que motivos você tem para estar feliz, sendo pobre desse jeito?” – Perguntou Scrooge ao seu sobrinho. A resposta não poderia ter sido melhor: “Se for por isso, que motivo tem o senhor para estar tão mau humorado, que razões para estar tão ranzinza, sendo rico desse jeito?”. O seu sobrinho, pobre e inculto, já havia intuído que a felicidade do homem não está na abundância de bens. Mas onde pode estar então?

Scrooge estava pouco interessado em descobrir. A sua vida, como a de muitas pessoas, era – pensava – como deveria ser. Sem grandes alegrias e comprometimento. Esse seria o seu transcurso natural até a morte. Quanto à morte, melhor não pensar a respeito. Perde-se tempo pensando. É preciso trabalhar, ganhar mais dinheiro, investir nos negócios. Por sorte, o espírito do seu antigo sócio, Marley, aparece-lhe na iminência do Natal a fim de lhe ajudar.

“-Negócio?! – gritou o fantasma, torcendo novamente as mãos. – A busca da fraternidade e do bem comum é que deveria ter sido o meu negócio. A caridade, a misericórdia, a tolerância, a paciência, a bondade, tudo isso era parte do meu negócio e eu não sabia. Meus assuntos financeiros eram apenas uma gota d’água no enorme oceano dos meus negócios”.

Traça com amplidão de miras um horizonte insuspeitado do que realmente importa. E que a vida financeira, embora importante, deve estar integrada a serviço dos verdadeiros “negócios” que não perecem.

O fantasma Marley lamenta o tempo perdido. Seu depoimento é lancinante. Mas agora já é tarde. Não há mais nada a fazer.

“Por que caminhei entre as pessoas e não olhei para elas? Por que nunca ergui os olhos para ver a Estrela Sagrada que conduziu os magos à manjedoura humilde?”

Todavia, conseguira uma chance para o antigo sócio, a fim de que pudesse escapar desse terrível destino que, fatalmente, aguardava-lhe. Combinam então que Scrooge seria visitado nas noites seguintes por três espíritos. Visitam-lhe, assim, os espíritos dos Natais passados, presente e futuros.

As dimensões tempo-espaço são relativizadas e o Mr.Scrooge acompanha cada um dos fantasmas num périplo que iria lhe provocar uma verdadeira metanoia. Revisitam a sua infância, primeiramente. Lá ele se lembra de um “não sei o quê” de bom que ficou para trás. Na adolescência e início da vida adulta, reecontra-se com o projeto comum que poderia ter construído no matrimônio – não fosse sua ávida ambição egoísta -, que desembocaria numa alegre família repleta de filhos.

Até as ações mais recentes de sua vida são, agora, apresentadas sob perspectiva nunca dantes vista. Parecem ganhar uma séria gravidade. Por fim, contempla um velho que morre só e desprezado. No cemitério, a sepultura denunciava: “Aqui jaz Ebenézer Scrooge”.

Essa viagem guiada o levara para dentro de si, propiciando uma reflexão profunda, antes impossível pela imersão irracional e desenfreada no trabalho. Mas mais do que isso. Não se trata de uma simples introspecção ou encasmurramento. É um movimento também centrífugo: leva-o principalmente a pensar nos outros e nas consequências transcendentes que suas (boas ou más) ações podiam causar no seu entorno.

O fato de ter antevisto o que lhe iria acontecer em razão do que fizera no passado, ajudou-lhe a perceber que o homem sempre está se dirigindo a algum lugar.

“-Os caminhos humanos fazem prever seus próprios destinos. E todos aqueles que continuam nesses caminhos, acabam por alcançá-los – disse Scrooge. – Mas se decidirem mudar de caminho, esse destino também mudará”.

Scrooge cai em si. Acorda do sonho que pareceu mais real do que toda a sua vida até então. Como se agora soubesse a que veio. Teria que escrever um novo capítulo de sua história, com tintas claras e frescas.

“Sinto-me leve como uma pluma, feliz como um anjo e alegre feito um menino. Estou eufórico como um bêbado. Um feliz Natal para todos! Um feliz Ano Novo para o mundo inteiro. Viva! Iiiiiipi-hurra!”

Encontrou na vida comum as alegrias antes escondidas. As suas ações, por menores que fossem, passaram a ter vibração de eternidade.

Fernando Machado

O padre Davi de Melo no momento de sua ordenação, em Olinda – Fernando Machado

 

 

 

 

 

 

 

O espírito do Natal

No “Conto de Natal”, do Charles Dickens, há na figura contrastante do Mr. Scrooge uma verdadeira chamada ao espírito natalino. E por falar em espírito, o velho sovina vai receber a visita de alguns deles a fim de despertar-lhe a consciência, que parecia estar em sono profundo.

Até então, era um homem gélido, amorfo, mesquinho, egoísta, solitário, avarento e apático. Os adjetivos negativos não faltam para qualificar a figura descrita com primor por Dickens.

“O frio e a influência tinham pouca influência sobre Scrooge. Calor algum podia aquecê-lo e nem o vento de inverno esfriá-lo. (…) A chuva, a neve e o granizo só tinham uma vantagem sobre ele: caíam com graça. E Scrooge não tinha graça alguma”.

O seu modo de ser, livremente querido, fazia com que essas qualidade negativas o isolassem cada vez mais do convívio social.

“Nenhum mendigo lhe pedia um xelim, nenhuma criança se aproximava para lhe perguntar as horas, nenhum homem ou mulher lhe solicitou, uma única vez, informação sobre qualquer coisa. Até os cachorros dos cegos pareciam conhecê-lo e, quando ele se aproximava, arrastavam seus donos para dentro do primeiro portão ou pátio que aparecia, sacudindo o rabo como se dissessem: – Meu caro patrão, é melhor não ter olhos do que ter olhos maus”.

A descrição é cortante. Para que vivia então o velho Scrooge? Para si. Fiava-se na sua própria ganância e amealhava – quanto mais melhor! – um patrimônio invejável. A despeito de tudo isso, era terrivelmente ranzinza. Não bastasse, a felicidade dos outros o incomodava profundamente.

“Que motivos você tem para estar feliz, sendo pobre desse jeito?” – Perguntou Scrooge ao seu sobrinho. A resposta não poderia ter sido melhor: “Se for por isso, que motivo tem o senhor para estar tão mau humorado, que razões para estar tão ranzinza, sendo rico desse jeito?”. O seu sobrinho, pobre e inculto, já havia intuído que a felicidade do homem não está na abundância de bens. Mas onde pode estar então?

Scrooge estava pouco interessado em descobrir. A sua vida, como a de muitas pessoas, era – pensava – como deveria ser. Sem grandes alegrias e comprometimento. Esse seria o seu transcurso natural até a morte. Quanto à morte, melhor não pensar a respeito. Perde-se tempo pensando. É preciso trabalhar, ganhar mais dinheiro, investir nos negócios. Por sorte, o espírito do seu antigo sócio, Marley, aparece-lhe na iminência do Natal a fim de lhe ajudar.

“-Negócio?! – gritou o fantasma, torcendo novamente as mãos. – A busca da fraternidade e do bem comum é que deveria ter sido o meu negócio. A caridade, a misericórdia, a tolerância, a paciência, a bondade, tudo isso era parte do meu negócio e eu não sabia. Meus assuntos financeiros eram apenas uma gota d’água no enorme oceano dos meus negócios”.

Traça com amplidão de miras um horizonte insuspeitado do que realmente importa. E que a vida financeira, embora importante, deve estar integrada a serviço dos verdadeiros “negócios” que não perecem.

O fantasma Marley lamenta o tempo perdido. Seu depoimento é lancinante. Mas agora já é tarde. Não há mais nada a fazer.

“Por que caminhei entre as pessoas e não olhei para elas? Por que nunca ergui os olhos para ver a Estrela Sagrada que conduziu os magos à manjedoura humilde?”

Todavia, conseguira uma chance para o antigo sócio, a fim de que pudesse escapar desse terrível destino que, fatalmente, aguardava-lhe. Combinam então que Scrooge seria visitado nas noites seguintes por três espíritos. Visitam-lhe, assim, os espíritos dos Natais passados, presente e futuros.

As dimensões tempo-espaço são relativizadas e o Mr.Scrooge acompanha cada um dos fantasmas num périplo que iria lhe provocar uma verdadeira metanoia. Revisitam a sua infância, primeiramente. Lá ele se lembra de um “não sei o quê” de bom que ficou para trás. Na adolescência e início da vida adulta, reecontra-se com o projeto comum que poderia ter construído no matrimônio – não fosse sua ávida ambição egoísta -, que desembocaria numa alegre família repleta de filhos.

Até as ações mais recentes de sua vida são, agora, apresentadas sob perspectiva nunca dantes vista. Parecem ganhar uma séria gravidade. Por fim, contempla um velho que morre só e desprezado. No cemitério, a sepultura denunciava: “Aqui jaz Ebenézer Scrooge”.

Essa viagem guiada o levara para dentro de si, propiciando uma reflexão profunda, antes impossível pela imersão irracional e desenfreada no trabalho. Mas mais do que isso. Não se trata de uma simples introspecção ou encasmurramento. É um movimento também centrífugo: leva-o principalmente a pensar nos outros e nas consequências transcendentes que suas (boas ou más) ações podiam causar no seu entorno.

O fato de ter antevisto o que lhe iria acontecer em razão do que fizera no passado, ajudou-lhe a perceber que o homem sempre está se dirigindo a algum lugar.

“-Os caminhos humanos fazem prever seus próprios destinos. E todos aqueles que continuam nesses caminhos, acabam por alcançá-los – disse Scrooge. – Mas se decidirem mudar de caminho, esse destino também mudará”.

Scrooge cai em si. Acorda do sonho que pareceu mais real do que toda a sua vida até então. Como se agora soubesse a que veio. Teria que escrever um novo capítulo de sua história, com tintas claras e frescas.

“Sinto-me leve como uma pluma, feliz como um anjo e alegre feito um menino. Estou eufórico como um bêbado. Um feliz Natal para todos! Um feliz Ano Novo para o mundo inteiro. Viva! Iiiiiipi-hurra!”

Encontrou na vida comum as alegrias antes escondidas. As suas ações, por menores que fossem, passaram a ter vibração de eternidade.

“Entrou na Igreja, caminhou pelas ruas, afagou a cabeça das crianças, conversou com mendigos…, e tudo isso lhe trouxe muita alegria. Nunca tinha imaginado que uma simples caminhada pudesse lhe trazer tamanha felicidade”.

Parece que cada homem, quando passa a enxergar a vida sob a perspectiva do serviço ao próximo, encontra ali uma alegria muito mais profunda e duradoura. O Menino que nasce em Belém vem justamente lembrar que vale a pena complicar a vida para fazer os outros felizes. Na verdade, é nessa dinâmica que o homem encontra a própria felicidade.

“Nunca mais Scrooge encontrou os espíritos, mas desde aquele dia passou a viver sob o princípio da Generosidade total. E todos concordavam em dizer que ali estava um homem que sabia celebrar o Natal e manter seu espírito vivo o ano todo – se é que algum homem consegue isto.”

E termina Dickens com uma chamada ao leitor: “Que o mesmo se possa dizer de cada um de nós”.

Apreensões, dificuldades, incertezas, medos, dúvidas… tudo isso circundava a humanidade antes daquela Noite Feliz! Em pleno século XXI ainda não entendemos que a verdadeira alegria não depende dos acontecimentos contingentes da história – sequer de uma pandemia global – mas sim em deixar-se envolver pelo fascínio dos acontecimentos da Gruta de Belém e render-se ante a ternura do Deus-Menino.

Feliz Natal!Fernando Machado

O padre Davi de Melo no momento de sua ordenação, em Olinda – Fernando Machado

Por: JC

 

Festa do Morro Dia de Nossa Senhora da Conceição: veja programação da Festa do Morro, no Recife.

 

Neste ano, a festa traz como tema, ''Imaculada Conceição do Morro, ensinai-nos que toda vocação é graça e missão dada por Deus%u2019'' (Foto: Sandy James/DP)

Neste ano, a festa traz como tema, ”Imaculada Conceição do Morro, ensinai-nos que toda vocação é graça e missão dada por Deus%u2019” (Foto: Sandy James/DP)

A tradicional Festa do Morro da Conceição chegou a sua 119ª edição em 2023 e reuniu fiéis de toda a Região Metropolitana do Recife durante dez dias. Muitos decidiram antecipar as celebrações e subiram o morro na semana que antecede o Dia de Nossa Senhora da Conceição. Nesta sexta-feira (8), serão realizadas missas e uma procissão que homenageia a Santa, em uma das celebrações religiosas mais importantes da cidade.
Neste ano, a festa traz como tema, “Imaculada Conceição do Morro, ensinai-nos que toda vocação é graça e missão dada por Deus’’. Ao todo serão celebradas 16 missas, cada uma no intervalo de duas horas e distribuídas entre o Santuário e em um palco que ficará em frente ao espaço dedicado à Santa. Confira os horários das missas:
  • Santa Missa – Palco em frente ao Santuário:
0h / 2h / 4h / 6h / 8h / 10h / 12h /14h
  • Santa Missa dentro do Santuário:
1h/ 3h/ 5h/ 7h/ 9h/ 11h/ 13h/ 15h
A procissão é o evento mais esperado da Festa do Morro da Conceição e reúne milhares de devotos. A concentração está prevista para iniciar às 14h30 em frente à Prefeitura do Recife, na Avenida Cais do Apolo, no Bairro do Recife, e a saída deve ocorrer às 15h. No trajeto, os fiéis irão passar pela Ponte do Limoeiro, pela Avenida Norte Miguel Arraes e pela Estrada do Morro da Conceição até chegarem à Praça da Conceição, onde haverá a solene celebração de encerramento da festa.
Também há programação de missas para o final de semana pós-festa. Confira:
  • Missas do sábado (9) – 8h/ 10h30 /16h/19h30
  • Missas do domingo (10) – 7h/9h/10h30/12h/16h/18h
Esquema de trânsito
Um esquema especial de trânsito foi preparado para a Festa do Morro da Conceição. A Autarquia de Trânsito e Transporte do Recife (CTTU) informou que o Morro da Conceição foi interditado desde às 12h desta quinta-feira (7). O tráfego de veículos só é permitido para moradores com a devida comprovação.
Os cruzamentos do Largo Dom Luiz com a Avenida Norte e com a Rua Dois de Fevereiro, além de toda Rua Itacoatiara, que dá acesso à subida do morro, estão interditados para veículos. Os bloqueios só serão desfeitos à 1h do sábado (9), após o término da festa.
Para orientar e dar apoio à população, a CTTU terá um total de 80 agentes de trânsito, podendo variar de acordo com a necessidade. A autarquia ainda recomenda que as pessoas que utilizam transporte coletivo para chegar ao evento se antecipem, uma vez que o número de fiéis esperado é alto e haverá restrição de estacionamento em via pública.
As linhas de ônibus da RMR também receberão reforços. Serão 260 ônibus que estarão circulando pela região e, juntos, farão 2.336 viagens ao longo do dia, o que representa um reforço de 162 ônibus e 1.234 viagens a mais que em feriados comuns.
Confira as 36 linhas que receberão reforços:
  • 060/2060 – TI TANCREDO NEVES/TI MACAXEIRA
  • 202 – TI BARRO / TI MACAXEIRA (VÁRZEA)
  • 207 – TI BARRO / TI MACAXEIRA (BR-101)
  • 330 – CASA AMARELA / CDU (AV. CAXANGÁ)
  • 513 – CÓRREGO DA AREIA
  • 516 – CASA AMARELA (NOVA TORRE)
  • 520 – TI MACAXEIRA / PARNAMIRIM
  • 521 – ALTO SANTA ISABEL (CDE. BOA VISTA)
  • 601 – TI MACAXEIRA / P.R. BOLA NA REDE
  • 604 – TI MACAXEIRA / ALTO DO BURITY
  • 611 – ALTO JOSÉ DO PINHO (CAIS DE SANTA RITA)
  • 612 – MORRO DA CONCEIÇÃO (CRUZ CABUGÁ)
  • 621 – ALTO TREZE DE MAIO (PRÍNCIPE)
  • 622 – VASCO DA GAMA (CRUZ CABUGÁ)
  • 623 – VASCO DA GAMA (JOÃO DE BARROS)
  • 624 – BREJO (CDE. BOA VISTA)
  • 630 – VASCO DA GAMA / DERBY
  • 631 – NOVA DESCOBERTA (CABUGÁ)
  • 632 – ALTO DO REFÚGIO (CABUGÁ)
  • 640 – GUABIRABA / DERBY (JOANA BEZERRA)
  • 641 – TI MACAXEIRA / ENCRUZILHADA
  • 642 – GUABIRABA (CÓRREGO JENIPAPO)
  • 644 – LARGO DO MARACANÃ (CONDE DA BOA VISTA)
  • 645 – TI MACAXEIRA (AV. NORTE)
  • 680 – VASCO DA GAMA / AFOGADOS
  • 718 – CÓRREGO DO EUCLIDES / DERBY
  • 901 – TI ABREU E LIMA / TI MACAXEIRA
  • 902 – TI MACAXEIRA / MIRUEIRA
  • 948 – TI MACAXEIRA / ARTHUR LUNDGREN II
  • 1906 – TI PELÓPIDAS / TI MACAXEIRA
  • 2490 – TI CAMARAGIBE/TI MACAXEIRA
  • 515 – NOVA DESCOBERTA (BACURAU)
  • 523 – DOIS IRMÃOS (BACURAU)
  • 613 – MORRO DA CONCEIÇÃO (BACURAU)
  • 626 – BREJO (BACURAU)
  • 643 – CÓRREGO DO JENIPAPO (BACURAU)
Segundo o Grande Recife Consórcio, também haverá alterações em alguns pontos. Confira:
  • Mudança provisória do terminal da linha 612-Morro da Conceição (Cruz Cabugá).
  • Transferência do terminal da linha para a Rua Pedro Allain até a sexta-feira (8). Montagem da estrutura de pagamento antecipado da tarifa.
  • Mudança provisória do ponto de retorno da linha 613-Morro da Conceição (Bacurau). Remanejamento provisório para a Rua Pedro Allain.
  •  Itinerários provisórios para as linhas 612 e 613, quando transferidas para a R. Pedro Allain.
  • Sentido subúrbio / cidade: R. Pedro Allain, Av. Norte,
  • Sentido cidade / subúrbio:Av. Norte, R. Rosália Cisneiros, R. Prof. Rui de Castro, R. Vasco da Gama, R. Pe. Lemos, R. Pedro Allain.
  • Implantação de parada seletiva em frente à Escola Profissionalizante Dom Bosco, da Prefeitura do Recife, exclusiva para as linhas 641-TI Macaxeira/Encruzilhada e 645-TI Macaxeira (Av. Norte).
  • Alteração de itinerário da linha 622-VASCO DA GAMA (CABUGÁ), no sentido cidade/subúrbio, por conta da interdição do Largo Dom Luiz.
  • Itinerário normal: Av. Norte, Largo Dom Luiz, R. Dois de Fevereiro, R. Vasco da Gama, Itinerário provisório: Av. Norte, R. Vasco da Gama.
Além disso, haverá a implantação de parada seletiva em frente ao imóvel nº 5.924, após o Largo Dom Luiz, no sentido cidade/subúrbio, para 11 linhas. São elas:
  • 330 – CASA AMARELA/CDU (AV. CAXANGÁ),
  • 517 – CÓRREGO DO INÁCIO,
  • 612 – MORRO DA CONCEIÇÃO (CRUZ CABUGÁ),
  • 621 – ALTO TREZE DE MAIO (PRÍNCIPE),
  • 622 – VASCO DA GAMA (CABUGÁ),
  • 623 – VASCO DA GAMA (JOÃO DE BARROS),
  • 624 – BREJO (CONDE DA BOA VISTA),
  • 631 – NOVA DESCOBERTA (CABUGÁ),
  • 632 – ALTO DO REFÚGIO (CABUGÁ),
  • 642 – GUABIRABA (CÓRREGO DO JENIPAPO),
  • 644 – LARGO DO MARACANÃ (CONDE DA BOA VISTA).
Festa do Morro é patrimônio imaterial de Pernambuco
A primeira Festa do Morro aconteceu em 1904 (Foto: Sandy James/DP)
A primeira Festa do Morro aconteceu em 1904 (Foto: Sandy James/DP)
A tradicional “Festa do Morro”, em Recife, se tornou Patrimônio Cultural Imaterial de Pernambuco. A entrega do título foi realizada pela Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado, no Santuário do Morro da Conceição, no dia 1° de dezembro de 2022.
Tradicionalmente, no dia da Imaculada Conceição, a cidade se veste de azul e branco em homenagem à santa, que ganha a maior festa religiosa da cidade e mobiliza cerca de um milhão e meio de pessoas.
A primeira “Festa do Morro” aconteceu em 1904, a partir do cinquentenário do dogma da Imaculada Conceição, instituído pelo Papa Pio IX, e da chegada da imagem santa, trazida da França. A estátua de 3 metros e meio mostra Maria com as mãos unidas em oração e uma cobra sendo esmagada pelos pés. Pela posição privilegiada, a estátua podia ser vista de várias partes do Recife.
Mas a paróquia só foi erguida 70 anos depois, quando a área estava sendo povoada por famílias de regiões que sofriam com as cheias do Rio Capibaribe. Desde então, a festa cresceu e agregou as religiões de matriz afro e o espiritismo. Em Pernambuco, a Imaculada Conceição também é associada a Iemanjá, orixá das águas, da fertilidade e da maternidade.